quarta-feira, 20 de junho de 2012

A delicada arte de apreciar

 




A vida é um presente e no dia-a-dia ficamos muitas vezes presos a preocupações e nos esquecemos da arte de apreciar as belezas que nos esperam.

Quando paramos para observar uma flor, um gesto, uma palavra, ou até mesmo uma nuvem que está se movendo no céu nossa alma respira a verdadeira paz que carregamos, aquela que mora na calma. Hoje em dia a pressa virou nossa parceira de todas as horas, de todos os dias. Uma angústia causada pela ansiedade dos afazeres. Tudo tem que ser pra ontem e acabamos deixando pra depois o essencial.

Saber apreciar os minutos que chegam até nós é viver realmente o AGORA, é estar em harmonia com tempo e espaço. Essa apreciação também tem que ter vista para nossa alma, pois é lá que encontramos os motivos mais belos, é lá que mora nosso tesouro e nosso não-tesouro que nem por isso deixa de ser menos importante. É lá que moram a loucura e a doçura que andam de mãos dadas em dias de sol e de chuva quando decidimos cantar a leveza que há em nós, que tecemos a compreensão por nós e pelos outros e somente lá é que sabemos a real importância que temos e o quão especial somos.

Essa apreciação é um exercício a ser praticado diariamente com nosso ambiente interno e externo.

Que saibamos apreciar com amor e amizade nossos lugares de luz e de sombra e que resaltemos o que nos proporciona a paz e a alegria de viver.


A arte de apreciar é praticada por almas que já entenderam a beleza e a delicadeza do existir.

Meire Oliveira

Experienciar para poder conectar

É preciso sentir, é preciso pulsar. É preciso viver, experienciar. A vida implora a necessidade do mergulho em cada processo. Por...