quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Clar(a)idade






A cada passo que dou sinto nascer em mim um novo amanhecer. Algo que não me veio com a idade, mas com a clar(a)idade, recitada nos versos, lapidada nos passos. 
Aprendo a observar com mais clareza os sentimentos que pulsam em mim; os que me acalmam e os que me abalam. Coloco na balança os benefícios e malefícios que cada atitude ou palavra me causa e decido o que eu realmente quero que faça parte da minha história.

A cada passo junto pedaços que ficaram pelo caminho, pedaços um dia doloridos, mas que deixaram crescimento pintado em cada linha, em cada lágrima. E de cada tropeço, surge sempre um recomeço.
O despertar vai além das palavras, dos sentires, dos tempos, dos mundos e dos ventos. Ele vem como uma flor a desabrochar as pétalas de mim. Deixo pedaços da minha essência em tudo o que eu consigo atingir a alma.

Não acredito que a vida seja um campo de batalha para lutarmos com adversários. Sou a única adversária de mim mesma e tudo o que enxergo é um reflexo do que eu sinto, falo e vibro. Nem sempre sou bela, nem sempre doce. Umas vezes sou calma na alma, outras vezes tenho a braveza de uma leoa.
Carrego um gosto imenso de estar perto do que faz o meu coração entoar os mais belos versos. Sou completamente fascinada por gente, e não abro mão de ser.

Independente do que a vida me traga, quero poder me deliciar dela, quero enchê-la de cor e graça. Quero inspirar amor pra brotar afetos, porque acredito na transparência das palavras embaladas de sentires cristalinos.
E em cada ato, em cada gesto quero pintar infinitas clar(a)idades em e no Universo.

Meire Oliveira

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Pra poder voar






Somos pontos luminosos e carregamos dentro de nós o segredo para apagar qualquer escuridão.
Quando colocamos nosso foco em nossos problemas, dores, tristezas, tudo só tende a aumentar. Mas se invertemos a visão focando na solução, novos caminhos se abrem. O Universo trabalha de mãos dadas conosco e a mãe Natureza nos enche de bênçãos todos os dias, basta pararmos para olhar e respirar seu verde-amor. Recebemos grandes tesouros, que são anjos aqui na Terra que nos ajudam e nos inspiram a trilhar nossa missão nesse mundo, com mais garra e esperança.
Mesmo quando derrapamos nas curvas, temos a oportunidade de crescer. De sacudir a poeira e brilhar mais que as estrelas. 
Dê mais forças aos seus desejos do que aos seus medos. Dê mais asas a suas alegrias do que lágrimas a suas tristezas. Confie mais no que sua alma quer, ela sabe te guiar. Se abrace mais para abraçar com mais amor o mundo. 
O caminho é sempre em frente e a vida não aceita amarras do passado. Onde quiserem jogar espinhos, plante a paz. A energia do amor é poderosa, só ela cura, só ela transforma.
Somos seres de pura luz e puro amor.

Meire Oliveira

sábado, 13 de outubro de 2012

Afinidades e vibrações






A cada raiar do dia temos em nossas mãos a oportunidade de mudar o caminho, de estreitar nossa visão ou ampliá-la de maneira sensata. É uma responsabilidade grande que temos e o único sinal que devemos seguir são as batidas do nosso coração, é o querer verdadeiro de nossa alma. Estar em afinidade com o Universo é afinar-se consigo mesmo. Não é mandar flores para agradar, mas mandar flores porque em nosso íntimo sentimos o tocar dessa vontade, que nasce espontaneamente, sem esperar buquês de volta, mas apenas pela alegria de colocar em prática a arte de amar.
O amor é a vibração mais pura. Não possuímos pessoas, família, amigos ou namorado. A única coisa que nos pertence realmente é o sentimento que temos por eles. E isso é uma junção do que somos capazes de sentir com o que as pessoas são capazes de despertar, lembrando que atraímos reflexos de nós mesmos e que algumas vezes tem gente que entra em nosso caminho para nos ensinar algo. Por isso a vida dá um jeitinho de trazer para perto pessoas mais parecidas com o que estamos nos tornando e levando para longe pessoas parecidas com quem fomos um dia. A alma é um imã e reconhece laços antigos também; o que traz brilho à nossa caminhada.
Uma outra maneira de afinar nossas vibrações é não nos culparmos por erros passados ou presentes, mas seguir em frente de cabeça erguida e com confiança  plena de que merecemos só o bem, pois atraímos para nossa vida só o que nossas crenças dizem que merecemos. É ter flexibilidade com a gente e com o outro.
Todos os dias nos deparamos com muitas energias, e se somos extremamente sensíveis elas vão se acumulando e podem até mesmo nos deixar doentes quando caímos em suas teias. Quando começamos a apurar nossos sentidos, conseguimos com mais facilidade perceber a energia de outras pessoas ou ambiente. Desse modo, há pessoas e ambientes dos quais nos afastamos, pois não condizem com nossa vibração atual. Mas há ainda as situações inesperadas que acontecem, para isso vale muito praticar a meditação todos os dias, para nos manter em equilíbrio. Existem milhares de técnicas e é uma maneira de entrarmos em contanto com nosso EU superior, analisarmos situações e aumentar nossa frequência vibratória.
Quando começamos a praticar a meditação, começamos a sentir o auto-amor que é essencial para nossa saúde física e emocional. Ninguém dá o que não tem, portanto só consegue amar com transparência quem pratica o auto-amor, pois pode doar-se sem medo. Assim poderá viver esse sentimento em sua totalidade dentro de si mesmo e o mundo exterior devolverá um espelho de amorosidade.
Manter essa afinidade toda com o Universo requer aprender a ressignificar olhares todos os dias, requer movimento em nossa vida. Coragem e compreensão. Requer cuidado. A vida é um jardim repleto de flores e temos que aprender a regar aquelas que mais nos fazem bem, seguir pela estrada com a autoconfiança aprumada e muita fé. 
Tudo aquilo que colocamos atenção o Universo nos devolve em dobro. Se vivemos dizendo que a vida não está boa e gritando isso aos quatro ventos, ela vai nos mandar ainda mais motivos para continuarmos construindo um muro de lamentações. Se focamos em nossos medos vamos viver emanando uma energia pesada e prejudicando somente a nós mesmos. Mas se conseguimos enxergar as pequenas coisas, as alegrias diárias, entrando em contato de maneira suave também com a natureza e enchendo nossos pulmões de ar puro e gratidão ela nos encherá de presentes maravilhosos.
Aprenda com os tropeços, não se revolte, coloque a luz da razão em cada pedaço da vida, que muita coisa irá clarear em sua mente. Se ame para amar o mundo que o Universo te envolverá num abraço de bênçãos.

Que tua luz própria seja teu maior guia, e a paz sua companheira de todas as horas.

Meire Oliveira


segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Mais que sonhar; desejar








                                          
Sinto nascer uma nova era em mim. Talvez seja por causa das gotas de orvalho, lá fora, nas folhas do jardim, deixadas pela chuva que chegou enfim. Chuva que lavou toda a lama da alma, levou-a pelo ralo. Talvez as gotas lá, como eu cá dentro, estejam sentindo o ar puro do novo, a gentileza do caminho se abrindo à frente. 
Não se decide qual caminho seguir da noite para o dia, uns ainda o encontram cedo, outros nem tanto, mas qual o significado de cedo? Para mim é algo que não tem a ver com idade, mas com o clima pitoresco da manhã que nos leva a saborosa sensação do despertar. Nossos destinos são traçados pelas sementes que plantamos no jardim dos dias.
Todos temos sonhos, mas gosto de trocar esta palavra por desejo que se encaixa mais a realidade, talvez pela força enraizada que carrega essa palavra.
Desejar é não só ter pensamento firme e fé no que se quer, mas trabalhar para isso, correr atrás. Quando não seguimos a nossa alma, ela vai virando nuvem, querendo sumir. E quando queremos alcançá-la periga ela ter se emaranhado num mar de "amanhãs eu vou", "depois eu falo" e outras falas procrastinadoras de metas incríveis e algumas eu diria até inadiáveis. Martelar desejos para o fundo do baú é privar o mundo do nosso encanto único e incomparável. 
Quero ainda me lançar na rede de crescimento, quero ainda aprender muita coisa, mas sem perder a alegria dos dias.
O mundo já está abarrotado de pessoas, então crescer pra gente pra quê? Assim como Manoel de Barros eu quero mais é crescer pra passarinho. Quero voar, voar e saber onde e quando pousar. Poder levar a vida a sério, mas sem esquecer de que nasci mesmo pra viver a riqueza do verbo ser e a magia de realizar tudo o que eu desejar levando na bagagem sempre amor e bom humor. 
Porque a vida é mais, muito mais. Mais que ser; viver. Mais que sonhar; desejar. Mais que esperar; amar. Mais que voar; livre e suavemente poder pousar.

Meire Oliveira


sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Azul da cor do céu






Tenho a alma azul da cor do céu. Alma que está mergulhando em novos caminhos, mais amplos e arejados. Repousada no colo da serenidade, dançando de braços dados com o tempo. Sou rainha do meu próprio reino, firme nos meus conceitos e mansa no coração de eterna princesa encantada pela vida e seus brilhos escondidos.

Sou a única responsável por mim e pela minha felicidade e não transfiro essa responsabilidade pra terceiros, pois EU só me conjugo na primeira pessoa do singular. Me amo, me aceito e não me recuso. E foi respeitando essa primeira pessoa que aprendi a respeitar e querer bem as outras todas que me cercam, pois somos parte de um Todo; luzes que bailam juntas no Universo, tecendo as rimas do mesmo verso. 

Percebo que quando me dói por dentro, basta algumas gotas de ternura para fazer qualquer dor cintilar e se transformar em amor, que brota irradiando luz.
 
Somos cercados de detalhes que muitas vezes deixamos passar, esquecendo de seu inestimável valor. Uma mão que segura a nossa, um sorriso inesperado, palavras enviadas com carinho, passos que caminham em sintonia.

Salvação não existe, o que existe é somente a auto-salvação, quando nos propomos a nos ajudar da maneira que merecemos, quando nos propomos a mergulhar em nossa alma pra conhecer seus cantos mais escondidos, desses e de outros tempos. 

Todos os caminhos são válidos se nos levam a nós, todas as mãos estendidas bailam conosco essa dança de beleza e sincronicidade que é a vida, escrita em rimas ou não, o importante é seguirmos o caminho que mais nos agrada.

No enlace entre mar e céu, luz e sombra, o azul se faz mais intenso e vivo.



Meire Oliveira 

 

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

A heroína da capa rasgada






Ela passou a vida voando de um lado pro outro, mas de tempos em tempos despia da capa e se deixava cair e ficava ali sem pedir ajuda, estirada no chão. Ela era cada sentimento que passava por sua cabeça e nunca gostou da superfície, sempre mergulhou. E por mergulhar sentia cada fagulha de alma que havia em tudo. Sentia cada detalhe que corria no vão mais escondido e isso nem sempre era bom, porque misturava em seu peito o bem e o mal. Tinha o dom de captar num olhar muito mais do que palavras poderiam explicar, era o que fazia de melhor: sentir.

Mas numa queda brusca demais, ralou os joelhos e sua capa fora rasgada. Não era mais a sempre forte, a que mantinha todos ao redor em pé. Descobrira na queda, que de heroína só tinha a capa e que de humana tinha as lágrimas, as quais não precisava sentir vergonha de deixar rolar. Na sua imensa e intensa humanidade chorou pra lavar a alma e unir sua luz e sua sombra.

Quando começou a abrir as dores, a escancarar as feridas, foi quando elas começaram a cicatrizar, a doer menos, a amenizar. A ex- heroína estava começando a aprender o significado da palavra dividir, que era até mágica, transformava muitas vezes uma casa dolorida numa mais arejada e florida.

Sentada na janela do seu quarto estava começando a entender o que era metamorfóse, mas não esperava borboletas, sabia que ela era a própria.

A vida é rasa e ao mesmo tempo de uma profundez que abrange corpo e alma juntos. De neutra não tem nada, sua cor pode ser preto e branco ou multicolorida, meio termo não tem. Aquela mulher que usava capa, que não sentia dor, que não chorava, ficou pra trás. Hoje ela está ciente de que é frágil, de que tem seus limites e do mesmo jeito que respeita o limite alheio, tem aprendido a respeitar o seu. E ela sabe que não é difícil quando ela quer ficar bem, principalmente com ela mesma.

Ela está na estrada caminhando, vai assoviando e aprendendo a falar mais de si, a respiração está mais tranquila porque ela percebeu que o que realmente importa é  respirar amor e h(ar)monia e que não é feio doer, mas o que faz mal é se esconder. 

Tem dentro de si um tesouro guardado e tem percebido que ser humana não é um bicho de sete cabeças.


Meire Oliveira

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Por trás das nuvens





Mas existem momentos em que nossa luz interna se esconde por trás de nuvens. Nessas horas é preciso não temer a escuridão, mas enfrentá-la por mais doloroso que seja. É necessário expandir o sol interior pra que haja a verdadeira iluminação.

Meire Oliveira 

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Apesar da dor pinta vida com amor






Para embalar seu coração,

Que apesar da dor, não te esqueças o quão gigante é seu interior e que de tamanha luz é regada todos os dias pelo anjo que te cuida e te protege. Sem que você perceba, baixinho em teu ouvido ele faz uma prece.

Que a aflição não impeça sua vista de enxergar o Sol que há dentro de ti. Que você saiba abraçar a dor e saia caminhando com ela, de mãos dadas. Aceite-a, compreenda-a e juntas vocês poderão fazer uma nova canção, mais bonita, cheia de esperança e vida. Porque essa, por mais que seja algumas vezes doída, sempre continua. 

E da caixinha de surpresas que o Universo te manda todos os dias, sei que ainda vai encontrar deliciosas alegrias, recheadas de encanto e magia pra te fazer sorrir. E eu desejo que o vento envolva tua alma em mansa quietude e que você jamais esqueça que ainda pode alçar os mais belos voos.

Que apesar da dor, você possa pintar a vida com harmonia, paz e amor. 

Meire Oliveira

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Tradução de sentires

 




Existem mil teorias sobre o amor, sobre ser feliz e sobre como se deve levar a vida. Palavras que o vento traz e que ele mesmo leva, num constante e delicado movimento. Não sei colocar em palavras sentires, mas carrego em mim a teimosia suficiente pra tentar. Algumas palavras têm o poder de abraçar sem braços, algumas até nos fazendo quase sentir o compasso do outro coração junto ao nosso.

Nunca tive a ambição do entendimento, mas me envolvo no sentir que sabe traduzir qualquer linguagem, principalmente a do olhar que dispensa qualquer explicação, apenas eterniza momentos.

Tocar com palavras é entender da magia exata que todos carregamos em nós, uns em doses mais elevadas que brotam em amor ao próximo. 

De dissabores a encantamentos cada escrita traduz pedaços da alma de quem escreve. É isso o que me envolve, me comove, me enlaça e me devolve com uma grandeza maior de mim mesma e de tudo o que me cerca. 

Conjugo o verbo escrever com vários outros juntos: amo, sinto, vejo por isso nasço e renasço em palavras que palpitam em mim.


Meire Oliveira

domingo, 15 de julho de 2012

Infinitos de mim






Caminhando sinto as pegadas ficando pra trás com traços que me pertencem. São passos que eram diferentes, andavam apressados, querendo chegar a um lugar incerto. Queriam chegar a um lugar fora de mim. Depois de um longo tempo hoje meus passos sabem chegar até meu coração que é onde tenho morada fixa, onde pertenço totalmente a mim, onde me abraço, me desfaço e me refaço.

A olhar o que fui ontem enxergo uma miragem que não me assusta ou causa estranhamento, apenas sinto uma distância, mas ao mesmo tempo amor por tudo que fui, porque sei que em cada momento fiz o melhor que pude e por tudo SOU no presente da maneira mais inteira. E não vejo só as lamentações, mas as conquistas que celebrei. 

Sou feita de tristezas e alegrias, sou doçura ácida, meiga com a braveza de uma leoa, sou o infinito que mora em minha alma de uma ponta à outra. Viver é um eterno descobrir-se e redescobrir-se, e isso é o que traz encanto a dança da vida.

A maior benção que posso dar e receber é amor, o resto vem somente da mesma fonte que ele, do fundo de meu ser. Vivo de asas sempre abertas e no meu jardim tem sempre mais espaço pra renascimentos.
Plantar levezas é entender das aventuras que podemos viver quando se aprende a voar fora e dentro de si.



Meire Oliveira


segunda-feira, 2 de julho de 2012

Da contadora de histórias que tocam a alma





"A melhor visão é a da alma e essa nem todos sabem que tem."
Emiliana Vaz

O que buscamos constantemente fora, está dentro de nós. O que achamos ter perdido precisa pouco pra ser encontrado. Nada mais que cuidados com a gente, nada mais que fineza no trato com o outro. A gentileza e o amor foram simplesmente banalizados e escondidos por trás de máscaras, de rusgas e fusquinhas, do medo de gente.

Mas no mesmo mundo que existe condenação ao amor existe também quem tenha o coração repleto dele pra si e para aqueles que o cercam. Pessoas que não só analisam o mundo ao seu redor, mas o mundo dentro de si mesmas, buscando sempre melhorar. Eu gosto de chamar essas almas de dispostas e acho uma qualidade preciosa pro ser humano hoje em dia, pois geralmente as pessoas têm uma cabeça fechada pra qualquer coisa nova ou diferente do que viveram sua vida inteira, vivendo por tempo demasiado numa jaula trancada chamada mente.

Todas essas palavras são pra dizer dela, da que conta histórias que me prendem o fôlego do começo ao fim da leitura, da que escreve textos que me alcançam o coração de uma maneira que poucos conseguem. Da lindeza chamada Emiliana Vaz, que conquistou meu carinho pelo zelo e apoio, a que carrego como um dos meus pontos de luz pertinho da alma e tenho como mãe de coração. Ela é um exemplo de alma disposta e muitas vezes ler algo que ela conta da vida dela me emociona bastante. 

Admiro gente assim: de verdade, que sente, que sofre, que vive a vida da sua maneira única e singular. Porque a vida é um presente, portanto temos que dar o rumo que agrade nosso coração e não esperar que as flores do nosso jardim cresçam se não as regamos. Milagres e mágicas existem sim, mas só se acreditamos e trabalhamos para que floresçam.


Pela tua fortaleza, sensibilidade, carinho e amizade, minha gratidão e amor infinitos.

Que a paz seja tua companheira sempre.


O blog da contadora de histórias: http://historiasdeemilia.blogspot.com.br/

Meire Oliveira

quarta-feira, 20 de junho de 2012

A delicada arte de apreciar

 




A vida é um presente e no dia-a-dia ficamos muitas vezes presos a preocupações e nos esquecemos da arte de apreciar as belezas que nos esperam.

Quando paramos para observar uma flor, um gesto, uma palavra, ou até mesmo uma nuvem que está se movendo no céu nossa alma respira a verdadeira paz que carregamos, aquela que mora na calma. Hoje em dia a pressa virou nossa parceira de todas as horas, de todos os dias. Uma angústia causada pela ansiedade dos afazeres. Tudo tem que ser pra ontem e acabamos deixando pra depois o essencial.

Saber apreciar os minutos que chegam até nós é viver realmente o AGORA, é estar em harmonia com tempo e espaço. Essa apreciação também tem que ter vista para nossa alma, pois é lá que encontramos os motivos mais belos, é lá que mora nosso tesouro e nosso não-tesouro que nem por isso deixa de ser menos importante. É lá que moram a loucura e a doçura que andam de mãos dadas em dias de sol e de chuva quando decidimos cantar a leveza que há em nós, que tecemos a compreensão por nós e pelos outros e somente lá é que sabemos a real importância que temos e o quão especial somos.

Essa apreciação é um exercício a ser praticado diariamente com nosso ambiente interno e externo.

Que saibamos apreciar com amor e amizade nossos lugares de luz e de sombra e que resaltemos o que nos proporciona a paz e a alegria de viver.


A arte de apreciar é praticada por almas que já entenderam a beleza e a delicadeza do existir.

Meire Oliveira

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Vida que flui

 



Descobri que todos os dias posso acordar alegria em cada pedacinho da minha vida e ela me devolverá luzes grandiosas mesmo que seja por entre nuvens densas. Seguro na palma de minha mão o encanto pela vida que permeia os meus dias.
  
Trago no peito o sabor manso que enleva a alma de ternura e bem querer. E acredito que a produtividade e a inteligência em viver está nisso: em nos afastar do que não nos acrescenta e em transformar qualquer sentimento de raiva ou angústia em mudanças dentro de nós, porque tudo é lição. E quando a gente percebe o quanto o que denominamos mal nos fez bem nos sentimos gratos. 

Quando apontamos a direção dos nossos pensamentos pra soluções e não para os problemas nossa mente trabalha mais leve e focada fazendo nossa vida se mover na direção do que queremos. Ao deixarmos um sorriso largo nascer em nosso rosto essa largueza se expande até o coração e ali faz caber todas as preciosidades que a vida nos traz. 

Temos que ser firmes e ter sempre fé para que as desventuras não encubram de nuvem as venturanças que embalam as batidas do nosso coração.

Que o balançar da vida nos traga o verdadeiro equilíbrio, aquele que não vem de fora, aquele que só nós podemos construir em nosso interior.

Agradecer a tudo o que temos e vivemos até aqui é uma forma de regar nosso jardim para que as flores continuem a crescer porque o perfume da gratidão é pura bênção.

Meire Oliveira


terça-feira, 29 de maio de 2012

Codinome borboleta






Escrevo. Erro a letra. Volto atrás. Sigo em frente. Cambaleio e no meio desse cambalear faço um giro na ponta da caneta que torna o texto mais belo do que seria. Apago tudo e recomeço. Assim são os dias: páginas em branco prontas para receber nossos rabiscos, prontas para receberem nossos eternos recomeços.

Não importa quantas linhas nos restam, mas sim como as preenchemos. Já amassei páginas, coloquei fogo e depois me peguei rindo de tudo o que foi. Porque já foi e nem eu sou mais quem fui. Deixei voar, deixei fluir.


Cada recomeço sabe envolver a vida numa ternura, numa força retomada, talvez até maior que a de antes.

Vibrar amor é deixar nossa vida elavada e plena de luz e harmonia.

É muito bom aprender, mas o mais difícil é desaprender. Difícil, mas não impossível. Carregamos certezas e medos que se deixarmos voar, se não tivermos fé no negativo, mas sim no positivo conseguimos descobrir  a verdadeira borboleta que existe em nós. Assim podemos modelar e remodelar nossas asas como nos agrada e nos faz bem. No nosso ritmo, do nosso jeito.

No jardim da vida somos todos borboletas, umas no casulo e outras que já sabem como voar. Umas têm asas douradas, lindas de se ver e sentir pertinho da gente. Outras têm asas cinzas e tortas, mas se olharmos bem consigos ver o brilho escondido no meio, porque todos temos potêncial pra ser feliz, todos podemos voar se assim quisermos.


Tá se sentindo cinza? Então deixa seu brilho desabrochar, deixa sua essência o mundo encantar.

Mas lembre-se para que a borboleta possa encantar o mundo tem que haver antes o momento do casulo.


Meire Oliveira


terça-feira, 22 de maio de 2012

Espelho, espelho meu





Temos em nós muitos espelhos construídos durante o tempo da nossa caminhada. Alguns deles viramos pra nós e só vemos nosso umbigo, outros é preciso que alguém os vire pra possamos enxergar. Vidros de cristais transparentes trazem esses espelhos. Outros apontamos pra outra pessoa ou pessoas e só enxergamos ela em nossa frente, o tal do espelho torto. Quando inclinado muito pra um lado vemos apenas as qualidades e muito pro outro vemos apenas os defeitos. Muitas vezes enxergamos em determinada alma só o que queremos enxergar, tapamos o resto propositalmente.

Em cada esquina ouvimos uma história diferente, cada história que chega até nós não chega por acaso. Temos que saber ouvir tudo colocando o espelho da nossa vida. Na maioria das vezes colocamos o espelho de outra pessoa que cabe direitinho naquela situação, mas muitas vezes um defeito dela pode ser muito mais nosso do que pensamos.

Saber viver é saber aprender. É querer aprender. A vida tem muito mais a nos ensinar do que achamos, mas temos que tomar cuidado pra não ficarmos apegados eternamente a uma mesma lição. Aprendeu essa, passa pra próxima que a apostila desse curso tem páginas deliciosas se soubermos enxergar cada beleza escondida em cada linha.

É preciso saber ouvir também verdades que podem ser doloridas, mas que curam tanto quanto as ternuras feitas de acúcar que a vida traz.

Atitudes é que mostram o que realmente queremos pra nós, quem realmente somos ou estamos nos tornando. Palavras apenas ecoam ou não dependendo da onde caem. Eu prefiro jogá-las em solos que sei férteis, mas posso errar também, não estou livre disso. A cada erro, mais uma lição, mas se acertei, seguindo minha intuição que dificilmente falha, colho flores de um perfume incomparável. Mas essas flores não guardo só pra mim, deixo-as se espalhar pelo mundo.

No espelho do meu coração que reflete um imenso jardim dentro de mim aprendi que um gesto de confiança carrega muito mais amor do que um elogio jogado pela janela sem transparência alguma. Confiança não requer juras e promessas porque a gente sente a transparência esculpir os sentimentos mais belos em nossos sentires diários.


Meire Oliveira


segunda-feira, 14 de maio de 2012

Lar, doce lar


 


A nossa casa chamada "Lado de dentro" é sempre o lugar mais confortável pra estarmos. Onde escolhemos nossas crenças, as pintamos e despintamos de acordo com o que queremos dar valor.

Viver dentro de nós é a melhor escolha que fazemos na vida. Mas ainda há muita gente vivendo mais fora, pelas ladeiras e ruas da cidade de "O que vão pensar", que é um lugar totalmente desconhecido e obscuro. Essas pessoas vivem aflitas e fazem tudo como se estivessem sendo vigiadas pela mente dos outros constantemente. Uma verdadeira prisão.

A liberdade consiste em fazer o que nos dá prazer, sem nos ligarmos a obrigações e crenças que plantaram em nossa cabeça e nós aceitamos. Tudo o que chega até nós, chega porque temos fé naquilo.

Se entrou uma pessoa que te fez mal, que te usou é porque você não acredita que mereça pessoas melhores, a partir do momento em que acredita e sente o quanto você é especial, se valoriza, automaticamente atrai pessoas e situações condizentes com essa sua FÉ. Começam a chegar até sua vida pessoas com a vibração de acordo com a sua, enquanto outras vão ficando pra trás.

Morar em nosso próprio coração não tem preço. E só conseguimos isso quando nos amamos de verdade, quando nos tornamos melhores pra nós mesmos, quando escolhemos ter FÉ somente no bem.

Viver de acordo com moldes e preocupados com opiniões alheias é aceitar a escravização da nossa alma. Seguir o que realmente queremos e nos faz bem é escolher ter paz, é a verdadeira libertação.



Cobri minha casa com pétalas de rosas, meu lar tem perfume de alegria e afago. E já deixo claro pra que não haja confusão, as cócegas e os doces são por conta da casa e flores brotam de puro encanto só pra quem entra pisando firme com o coração.

Meire Oliveira


terça-feira, 8 de maio de 2012

Muito mais achados do que perdidos





Já me acharam boba, chata e muito mais. Já me chamaram de amiga e depois me soltaram a mão nos momentos mais aterrorizantes. Culpei quem me largou a mão, culpei a mim. De início, esperniei. De meio, me revoltei, mas no fim minha alma foi crescendo e  me (re)encontrei. Me pergunto em que momento da vida eu me perdi, ou se já havia me encontrado antes e nem notei. E a pergunta que fazia antes da ficha cair era: Por que me deixaram aqui sozinha nesse momento? E depois consegui reformular a pergunta que realmente deveria me fazer: Como eu pude me abandonar?

Vi que achismos sempre vão haver, no outro sobre mim e em mim sobre o outro. Mas o importante é que eu não me perca nos achismos do outro, que eu não fantasie cavalos andando nas nuvens onde há só cavalos andando na terra. E talvez seja esse o sobrenome do crescimento: desfantasiar sem perder o encanto pela vida e pelas pessoas. Nesse teste eu passei, me dou nota 10. Sou uma eterna encantada pela vida e por algumas pessoas. Sim, me tornei seletiva.


Vi também que eu não posso me perder nas palavras do outro, porque só eu sei o que sou e sinto. Não sou doce todos os dias, 24 horas por dia. Tenho mau humor, mas brigo rápido com ele e brigas de ponta pés! Tenho momentos em que preciso silenciar tudo, até meus pensamentos. Silêncio também é despertar.


Só eu sei das minhas lutas, das vencidas e das perdidas. Só eu sei me dar colo, só eu sei lavar minha alma em minhas lágrimas quando preciso. Só eu conheço os verdadeiros caminhos que me fazem bem, que me envolvem na paz que tanto aprecio.

Perdi muito com meu jeito de ser, ganhei muito com meu jeito de me respeitar, de saber doar depois que eu soube me-dar. E esse me-dar me mostrou a verdadeira felicidade. 

Não gosto de gente que grita, que revida um tapa com outro tapa, não gosto de gente fanática por si mesmo. Porque amor próprio é essencial, mas exagero nele é arrongância que mostra a falta do mesmo. Irônico? Sim, a vida também sabe brincar com a ironia. E exatamente por não gostar disso ou daquilo, me afasto. Aprendi a deletar o que não me faz bem, o que não combina com a minha alma. Não é exagero, é respeito por mim e também pelo outro. E isso não é frieza, é equilíbrio. Não sei fazer joguinhos, gosto de coisas claras e doces, amargura não me interessa. Sou admiradora de almas recheadas por grandeza, que sabem que respeito é a elegância da alma. E só quem é gente grande por dentro tem. 

Nesse mundo não tem lado, estamos todos do mesmo lado, com o Universo somos um. Vibrar amor faz bem pro próprio coração. Raiva faz um mal danado pro mesmo. Eu escolhi o amor e quando sinto uma pessoa com raiva, me lembro daquela canção dos Beatles "all you need is love" é, meu irmão "love is all you need".

Não brigo mais com meu espírito quando ele pede basta. Tenho limites e os respeito. Aprendi a me respeitar e a me cuidar e me alegrar quando alguma poluição de fora quer me invadir, aprendi que quem gosta de mim de verdade não se coloca abaixo de mim, me pondo num altar, mas enxerga meus defeitos e inclui sinceridade no jardim da amizade.


Me sinto imensamente grata e no lucro. Na caminhada do aprendizado que é a vida perdi coisas e pessoas que achei essenciais  e talvez até fossem pra aquela que fui um dia, mas ganhei muito mais. Ganhei paz, alegria e a certeza de que almas não se cruzam por acaso, mas que almas na mesma vibração se atraem e criam elos bonitos e infinitos.


E dos perdidos, tenho muito mais achados. Achados de paz, de luz que é o que me interessa, pois minha alma gosta mesmo é de leveza, peso não me interessa.


Meire Oliveira


sábado, 5 de maio de 2012

Me divirto sendo





A melhor coisa da vida é a diversão que permeia constantemente nossos dias, basta abrir os olhos e ter o corpo disposto a sorrir. Porque sorriso verdadeiro é esse: dos pés a cabeça.

Tão bom poder escancarar a alma pro sol e sentir toda a sua energia nos envolvendo todas as manhãs, cada raio que chega até nós vibra a plena gratidão do ser.

A vida é pura beleza, guarda em cada pedacinho trechos de surpresas maravilhosas, prontas sempre a chegar até nós, basta que saibamos fazer o que nos agrada, basta que saibamos que a vida não é feita de dramas e reclamações sem fim, mas sim bordada de recomeços que nos deixam mais próximos daquilo que nossa alma aprecia.

Ser feliz não é viver em plena euforia, é sentir calmaria na alma e uma vontade de sorrir sem motivo algum ou por todos os motivos juntos.

O importante é não nos prendermos a nada, nem em nossos próprios erros. É andar de mãos dadas com nossas sombras e nossas claridades ao mesmo tempo, é nos sentirmos livres pra poder voar pra onde nosso coração mandar e ele sempre escolherá o lugar em que se sente aquecido e envolvido pela paz. É preciso ter manha pra saber obedecer o próprio coração.

Visto meu sorriso faceiro, coloco no olhar o brilho mais suave que minha alma inspira. Passo meu batom de cereja e saio pra curtir a arte mais bela que existe: a vida. Ah, "como é bonita"!

Meire Oliveira 



domingo, 29 de abril de 2012

Aconchego





A escolha em sorrir e chorar nos cai no colo todos os dias e tenho aprendido que não há escolha mais grata e bendita do que a da alegria, mas só faz essa escolha quem consegue ver graça no sério, doce no amargo.

Tristeza é caminho denso, empregnado de espinhos que nós mesmos construímos, podemos ter a ajuda de pessoas de fora que regam nosso jardim com amor, o qual deixa os espinhos mais fáceis e moles de serem arrancados, mas tirá-los de dentro é tarefa que só nós podemos fazer.

Simples? Sim, quem complica é a gente colocando a culpa em terceiros ou inventando desculpas pra adiar a felicidade que já mora em nossa alma. Somos os únicos responsáveis pela nossa alegria, as pessoas em volta apenas agregam mais cor a nossa casa chamada coração, onde a decoração toda corre por nossa conta e risco.

Não tem mistério, não tem varinha de condão, o importante é a gente se sentir em casa dentro de nós mesmos, é nos sentirmos aconchegados em nosso próprio coração.


Meire Oliveira

sábado, 21 de abril de 2012

De mãos dadas comigo e contigo



 


As pessoas mais especiais pra mim, que gosto de ter por perto são as que quando se aproximaram de mim fizeram com que eu também me aproximasse mais de quem eu realmente era.


São as que não passaram a mão na minha cabeça, me mimando e dizendo só o que meu ego queria ouvir, porque ego inflado não traz benefício algum, só a sinceridade branca e verdadeira ajuda a crescer.


Foram as que não só me estenderam a mão, mas as que me ajudaram a entender que a primeira mão que eu teria que segurar era a minha. Foram as que não quiseram me moldar, mas sim me apoiar, me alertar. 

Costumo dizer que somos feitos de luz, mas também somos feitos do que e de quem nos cerca. Somos feitos também das gentes que escolhemos pra ter por perto, que atraímos pra nossa vida num devido momento.

Aprendi a sentir com mais leveza, a amar com delicadeza, mas também a escolher mais a dedo de quem me aproximo ou me afasto. Levo na bagagem só o que pra mim vale a pena, deixo pelo caminho o que não quer mais valer. Passei um longo tempo exitando em fazer faxinas cá dentro do meu peito e isso acumulou poeira desnecessária, por isso hoje em dia ouço mais o que meu coração diz, se faz bem fica, se não, vai embora. E isso não é frieza, é amor próprio.

Não trato a todos que me cercam iguais, porque as pessoas são únicas e cada uma desperta em mim um jardim diferente, alguns cheios de flores, outros nem tanto.

A vida é um constante despetar e quando somos bons com a gente mesmo, nos respeitamos, temos confiança em quem somos, conseguimos entender o que é respeitar o outro e gostar de verdade. Talvez esse seja um segredo que alguns já descobriram e outros ainda estão a caminho de descobrir.



Quem eu amo sabe, quem eu amo me sente. Porque sentires a gente não explica em versos, a gente pinta em gestos.


Meire Oliveira  

segunda-feira, 16 de abril de 2012

É preciso plantar pedaços de céu






Quando deixamos o medo, o vilão dos vilões, guiar nossa vida, ela fica mais pesada e escura. As coisas começam a não fazer sentido porque tudo o que tentamos colocar no eixo vem regado por essa lama escura que quando se mistura aos nossos sonhos e sentimentos mais bonitos faz tudo desaparecer aos poucos. 


Nada pode atrapalhar mais nossos planos do que o medo, sem ele nos livramos do peso de mais de cem quilos nas costas. Sem ele, podemos trabalhar todos os dias de maneira mais suave nossa paz, essa sim é a mocinha da história. Quando aprendemos a basear nossa vida em nossas próprias forças sabemos que temos capacidade suficiente de ir tão longe quanto queremos, afinal temos a centelha divina dentro de nós.

Porque paz é ter disposição pra dar e receber amor. É ter vontade de sorrir por nada e por tudo, é deixar-se cativar pelas surpresas abençoadas que chegam em nosso caminho.  É como ter uma chuva de pétalas a banhar toda nossa alma.


Cada um tem sua própria maneira de buscar por ela. A minha é silenciosa, mas tem som leve de riso gostoso.



Cuidar da nossa paz interior é como plantar pedaços de céu pra colher nuvens  em nosso próprio peito.



Meire Oliveira

domingo, 8 de abril de 2012

Despertar pra belezuras




Trago em mim belezuras no sentir. Posso ser um rio calmo e manso, mas também posso ser um mar bravio. Não peço licença e nem desculpa por existir. Existo com a fortaleza interior infinita e com traços de amor que deixo brotar suavemente do coração.

Não gosto de tatuar culpas ou tristezas. Aprendi com o tempo que só sou atingida pelo que deixo me atingir, por isso minha força mora em minhas próprias entrelinhas. O que é externo é também mutável, só o que verdadeiramente me toca o coração e faz brotar sentimentos que possam brindar com minha  paz é que serão permanentes.

Gosto de ser solta e sentir o gostinho de liberdade adoçando minha boca. Se erro algum rabisco porque não apontei direito meu lápis, na linha seguinte já me perdoei pelo impasse e recomeço com a mesma graça do princípio.

Carrego além da doçura a firmeza do que quero e o que não quero pra mim. Já colecionei por muito tempo pesos desnecessários, já culpei outros por minhas próprias desilusões, mas hoje sei que quem se desilude é porque se iludiu, ninguém ilude ninguém, como diz um amigo: as pessoas é que são iludíveis. Hoje, enxergo a realidade através dos meus próprios olhos que são encantados por cada luminosidade que a vida me traz. 

Vez enquando acontece de eu me deparar com a janela que dá pra dentro de mim entreaberta, mas quando percebo que a corrente de ar diminuiu, corro pra deixá-la escancarada novamente, pra que esse ar possa estar constantemente refrescando minha alma.

Hoje não sou eu quem vai atrás das borboletas, são elas que vem bailando ao meu encontro. Alguns chamam isso de magia, eu apenas chamo de alegria, que mora dentro de mim e que gosto de espalhar todos os dias.


Meire Oliveira


domingo, 1 de abril de 2012

Refletores de belezas raras




O outro também é um espelho do nosso interior. Se só conseguimos ver defeitos nele e nos incomodar profundamente com eles é porque também nos enxergamos assim. Reconhecer nossas próprias qualidades de maneira saudável e amar cada detalhe que faz parte de nosso ser, até nossos defeitos, também nos faz querer bem quem nos cerca, nos faz enxergar belezas raras e delicadas.

Saiba sorrir pra si mesmo em frente ao espelho depois de uma dose de auto-cócegas-na-alma. É uma receita de luz infalível.

A vida funciona da maneira que nos tratamos. Se somos bons conosco, nos valorizamos, nos respeitamos, o reflexo será bom. Mas se nos colocamos no chão, como não merecedores de nada, é abaixo dele que irão nos deixar.

Somos refletores do que semeamos em nosso interior e temos a plena capacidade de cultivar uma constelação inteira nele basta mantermos aceso o dom que todos temos de colorir o céu que mora em nós.



Meire Oliveira

segunda-feira, 26 de março de 2012

Pra brotar serenidade






A regra da vida é não ter regra. O caminho da vida é não ter caminho. Escrevemos os versos mais lindos no caderno que pulsa do lado de dentro.


Nossa estrada quem constrói somos nós, os alicérces têm que ser firmes e concretos. Ilusões são passageiras e desmancham-se como nuvens feitas de vento, em segundos saem girando pelo ar e nem sua direção queremos acompanhar.

Alicérces firmes são feitos de amor baseado também na razão e mãos dadas. Lembrando que ninguém pode dar a mão a quem está com elas fechadas ou a quem anda de braços cruzados pra si próprio. A vida só convida pra dançar quem não teme errar o passo, quem não se importa de trocar os sapatos e até o penteado conforme a música.

Só ganha o doce quem consegue brincar até com o amargo dessa melodia. Só dança na pista da liberdade quem não usa algemas pra acorrentar ou pra se acorrentar. E quando falo de acorrentar não é somente a pessoas, mas também ao passado, a ideias e medos que só nos levam a caminhos tortos que nos distanciam de nós mesmos. 

Tudo fica mais azul quando aprendemos a rodopiar nos braços da leveza. Quando nossas sementes são plantadas sempre em solo renovado pelo amor e pela paz. Essa paz que dá árvores frondosas, com lindos frutos e  suas raízes são amenas, pois só é verdadeiro o que me faz bem, o que deixa minha alma tranquila e serena.

Meire Oliveira

quarta-feira, 21 de março de 2012

Cresça e seja feliz

 


De opiniões não pedidas e ideias diversas o mundo está cheio. De mentes fechadas que não querem evoulir e acham que a verdade mora em suas mãos também, mas cabe a nós e a mais ninguém decidir se vamos ou não nos estressar com isso ou aquilo.

Não se prenda a opiniões de terceiros, mas também não se algeme eternamente às suas. Temos que penerar de acordo com nossa cabeça e conhecimento o que devemos ou não levar em conta.


Pinte seus próprios prismas, aprenda a colorir seu mundo mesmo quando tudo ao redor for cinza. Mostre a língua pra pesssoas que vivem mal humoradas, de mal com a vida, só reclamando. Não se contagie com o pessimismo alheio, deixa o seu brilho ressoar por todos os cantos da casa, da vida, do mundo. Crescer pode ser belo quando o crescimento é visto pelas lentes da felicidade.


E no caminhar desse crescimento, não podemos esquecer de nos divertir. De rir de nós, pra nós e com todos ao redor. Amadurecer faz parte e quem consegue fazer isso com pitadas de diversão sabe que a vida é puro encanto, é verdadeira arte. Permita-se sorrir, fazer alguém feliz, se fazer feliz.


Passe seus rascunhos a limpo, tire do feio a beleza mais pura. Deixe a alegria correr solta pelo seu corpo e não dobre nem a primeira esquina sem antes vestir seu mais sincero sorriso, o que cobre não só seu rosto, mas sua alma todinha.

Meire Oliveira



sexta-feira, 16 de março de 2012

Suave estrelejar





Ela amanheceu estranha. Colocou os braços na beirada da janela e ficou olhando pra fora, admirando o horizonte e o sol que clareava tudo a sua volta, mas mesmo em meio a essa bela imensidão ela não conseguia se sentir bem, a garganta estava cheia de nós.

Até que decidiu virar a paisagem do avesso e ao invés de olhar pela janela se apoiou do lado de fora pra espiar dentro. Nesse mergulho foi fundo, encontrou dores e medos que encarou de frente. Ficou em carne em viva. Chorou, quis recuar e não olhar mais, mas sabia que isso seria fugir de si mesma. 

De alguma maneira ela sabia que seu crescimento só dependia de seu querer aprender, do seu colocar em prática as lições ensinadas pela escuridão. Porque palavras são folhas verdes de uma árvore cujo o tronco são as atitudes. Uma árvore sem tronco são apenas folhas secas, sem cor, caídas no chão. No outono são lindas, mas só no outono.


No meio de todo breu, ela aprendeu a estrelejar seu próprio eu.
Há momentos que o melhor a fazer é desacelerar. Desligar a paisagem de fora para poder admirar melhor a de dentro. É redescobrir a cor da vida redescobrindo a própria claridade.
Meire Oliveira

sábado, 10 de março de 2012

Asas em constante movimento






Mudança requer movimento. E são em meio a esses movimentos que tropeçamos em pessoas e situações que estão de acordo com o que carregamos no peito. Nenhuma semelhança é mera coincidência, nossa vida segue o caminho das nossas vibrações, sejam quais forem. As coisas simples não acontecem enquanto escolhemos as complicadas.

Navegar é preciso em novas águas. Abandonar crenças já envelhecidas, sentimentos que não nos cabem é o melhor jeito de viver em constante renovação. Mudanças podem até causar pequenos espantos, mas o relógio na parede é sábio e seus ponteiros pintam crescimento em cada tic-tac.

De tempos em tempos refaço meus desejos com pincel e tinta colorida na mão, desfaço nós que foram causados por descuido meu e no lugar coloco laços agregados de leveza. Deixo derramar o afeto que sabe abrir caminhos de beleza imensa.

Deixo em cima da pia os copos cheios de alegria que encho a cada manhã com sol e céu azul fresquinhos, pra guiar e enfeitar o decorrer do meu dia.

Minha trilha sonora é a melodia que ecoa das escolhas que faço. Algumas tocam em alto e bom som, outras tocam suave tilintando calmaria. Eu aprecio cada nota, porque sou a compositora dessa trilha. Não é feita de glamour, não tem ouro nas notas, mas é especial porque sai da minha alma e tem sempre o toque do meu maestro preferido, meu florido coração.




Meire Oliveira

sábado, 3 de março de 2012

A poesia mais bela







Deixa a gentileza falar mais alto. Ela tem o dom de chegar sem espantar os pássaros, de não deixar cair por terra os laços.


Quando ela fala, a ira se cala, assustada. Não há quem não se renda a sua voz.


Mas pra ser gentil antes de tudo é preciso ser corajoso. Pois gentileza não tem nada a ver com covardia, com medo de amar, com medo de gente, mas sim com coragem de olhar nos olhos, de segurar na mão uma flor pronta pra ser estendida ao invés de uma pedra a ser atirada.


Só consegue atingir a arte da gentileza quem ultrapassa a superfície do olhar e mergulha no delicado sabor da essência.


Gentileza, em solo escasso de calor, é poesia.


Meire Oliveira



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...