domingo, 10 de julho de 2011

Eternas crianças




Quando será que nos tornamos adultos? 
É quando sabemos as respostas para tudo? 
Quando não sentimos medo de nada?
Quando entendemos tudo o que acontece conosco?
Na verdade somos eternas crianças. Não sabemos explicar porque a chuva caiu quando era para chuviscar . Sentimos um medo enorme de perder as pessoas que amamos. Não entendemos patavina porque o barco virou bem na hora que íamos ganhar a competição. Só algumas coisas são diferentes: no pique-esconde escondemos dos  nossos medos e os escondemos dos outros. No pega-pega tentamos pegar o tempo e mesmo quando o alcançamos não o achamos suficiente. Na brincadeira de rodar o pião quem rodopia somos nós no correr dos dias deixando a vida "adulta" nos guiar. 
Mas há momentos que o melhor mesmo é reencontrar a criança que existe não muito fundo em nós, colocá-la para brincar um pouco, olhar tudo com ternura e ingenuidade e não ter vergonha de segurar na mão de alguém quando preciso ou só para dizer - Eu amo você.


Não deixe a criança que tem dentro de ti dormir num sono  profundo,
 pois a vida aos olhos dela é a festa mais bela desse mundo.



®Meire


14 Bis - Bola de meia, bola de gude


24 comentários:

  1. As respostas, quase sempre, não chegam quando queremos, mas quando aprendemos.
    Manter o modo de olhar das crianças é ver sem maldade, e com grande encantamento, qualquer descoberta.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Oi Meire, tudo bem?
    Obrigada pela presença por lá amigaaaa rsrsrs

    Acho que deixamos de ser crianças quando nos tornamos um pouco da cor cinza, mais desbotados. Cabe a nós mesmos retomarmos um pouco do colorido, da ingênua e deliciosa combinação de cores!
    Beijossss amiga! Lindo!

    Humoremconto
    http://anaceciliromeu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. a vida nos surpreende sempre..e nosso lado criança nos ajuda por vezes a compreender ou superar..
    lindo texto Meire querida..
    beijosss

    ResponderExcluir
  4. Acredito que nos tornamos adultos quando deixamos de ver na simplicidade das coisas motivos de alegria.. quando começamos a complicar tudo, afastando cada vez mais a realização de nossos desejos.. quando em meio de uma conquista, colocamos mil e um empecilhos.. quando enfim deixamos silenciar a criança que um dia fomos, tempo em que era tudo tão simples e fácil.. e sempre dávamos aquele "jeitinho"para conseguir o que desejávamos.

    Beijo grande em seu coração Meire!

    Verinha

    ResponderExcluir
  5. A minha vive acordada, e bem serelepe.

    Beijinhos e bom domingo, Meire linda!

    ResponderExcluir
  6. Meire, hoje tu e a Cissa me tiraram os pés do tempo... Digo isso porque para os gregos, o tempo era algo bastante significativo, assim como para mim o é...
    Como pode tudo isso ter sido dito de uma forma tão madura e simples quando na verdade permeia noções tão complexas? É, tu és um fenômeno mesmo, um espírito sensível e evoluído que, vejo, é capaz de quebrar até mesmo as barreiras temporais mais complicadas para o censo comum!!!
    O tempo, segundo os povos helenicos (gregos), resumem-se da seguinte forma: o explosivo chamavam de "aion" (àquele onde as crianças, perante a visão adulta, brincam por horas enquando para elas não passou de minutos...); o tempo cronológico é o todo, o tempo sobre todos os tempos; o "íon" é o tempo histórico; e o "Kairós" – onde estou agora – é o tempo da oportunidade.
    Obrigado pelo kairós que me deu por aqui, a oportunidade para recordar o meu tempo de aion infantil: onde tudo se resumia em uma enorme explosão de tempo essencialmente vital, vislumbrado apenas pelos olhos imaginativos de uma criança inquietada consigo e com o mundo fora do mundo que criou...
    Adorei querida!!!!!

    ResponderExcluir
  7. vida en sus ojos es la fiesta este mundo más hermoso.,inspirada metafora

    ResponderExcluir
  8. Lindo seu texto...é bom fazer com que ninguém se esqueça da criança que existe dentro de cada um de nós...

    deixo beijos e muito carinho...

    Zil

    ResponderExcluir
  9. Todas estas brincadeiras da nossa infância, já não são tão conhecidas e praticadas pelas crianças de hoje.
    O que é uma pena...
    bjs e boa semana

    ResponderExcluir
  10. Oi, Meire, eu bem que queria que sempre fosse assim. É tão mais fácil de suportar o peso da vida! Alías, ela não pesa para os espíritos de criança. É onde a maldade não atinge. Adorei a prosa bem poetizada. Abração. paz e bem.

    ResponderExcluir
  11. Belíssimo texto. Adorei. Que a criança que existe dentro de nós nunca envelheça, nunca morra! Au revoir.

    ResponderExcluir
  12. Belo e verdadeiro
    Um grande bj querida amiga

    ResponderExcluir
  13. Tem selinho pra vc no meu blog
    bjus DOCE MENINA

    ResponderExcluir
  14. "Toda vez que o adulto balança o menino me dá mão..." Teu texto se encaixa com essa musica do Milton Nascimento. Lindo, perfeito. Bjo bb!

    ResponderExcluir
  15. Minha bonequinha de porcelana!
    "Chega a hora em que o homem brinca a fim de que o menino cresça "
    Beijos para aquecer teus pensamentos que são fértis demais na hora de escolher temas para textos tão ricos e de pontencial grandioso como os teus...
    Bjssssssssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  16. Compotinha querida,
    saudade hoje do sorriso de criança mais bonito, e que enche nossos blogs de carinho: o teu ;)

    Difícil nao sentir medo de nada... acho que até o velhinho mais sábio sente. O que diferencia, penso eu, é a maneira que encara o medo. E esse jeito que você soube explicar tao bem acho pode ser o caminho, o de vermos as coisas com a pureza dos olhos da criança.

    Ahh compotinha, cada dia amo mais estar aqui, anjinho de alma pura. Ti love, deixe que buzinem no teu ouvido o quanto quiserem sobre o que quiserem, mas saiba estaremos sempre pra te ouvir no nosso CP açucarado ;)


    # Adoro Supertramp!
    Adoro 14 Bis também!

    ResponderExcluir
  17. E pode "vagar" o quanto quiser pelo CaFoFo, ô gente, a casa é nossa!!

    Tu viu naquele post do "vício de linguagem" no final do texto que fiz uma gravacao? Aquele link é bem bacana e você pode gravar "aquela" música, só ter o microfone ;)

    Abracaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaoooooooo

    ResponderExcluir
  18. Quando será que nos tornamos adultos?
    Ah...! Meire, espero que nunca. Não devemos deixar morrer a criança que existe dentro de nós, está é a melhor e mais pura parte do ser humano.
    Bj.

    ResponderExcluir
  19. Realmente temos que viver um dia de cada vez e sermos eternas crianças...

    bjs meus

    Cat

    ResponderExcluir
  20. Oi Meire,
    Não podemos mesmo deixar a criança interior morrer, é ela que nos guia nos momentos mais felizes.
    Beijos

    ResponderExcluir
  21. Meiroca, minha linda compotinha
    Ai,estou tão sem rumo que não consigo nem comentar direito. Mas tudo vai passar tenho certeza!!!
    Amei esse texto, e só peço a Deus que me deixe ser essa eterna criança que sinto que ainda sou! E me deixa muuuuito feliz ser assim!
    Meiroca,vc sabia que o perfume da dama-da-noite é o cheiro da casa do meu pai, quando ele era vivo.?Mais uma coincidênciapara registrarmos.
    Bjkas e que nossos sonhos possam ser suaves, sem turbulências. Amanhã sempre será um novo dia.
    #Miga, aquele texto sobre Resiliência não tem nem um dedinho meu, mas é muito legal mesmo! E eu amo a Mafalda!!!Bjktas adocicadas!

    ResponderExcluir
  22. Somos na verdade, eternas crianças! Adoro essa música do 14 Bis ^^!

    ResponderExcluir
  23. Meire, não sei se tu já leu o livro "O Futuro da Humanidade", do Augusto Cury. Se ainda não leu, faça! É lindo. E na história tem um certo momento que o protagonista diz para o jovem que ele precisa encontrar a criança que está dentro dele. Precisa se reconhecer enquanto pequeno, para poder viver com mais verdade a sua vida adulta. É bonito demais. e é bem isso. Eu as vezes acho que meus sentimentos são infantis demais, nas carências, nos amores, na entrega meio desmedida. Mas em outras coisas me vejo adulta demais, séria demais. Saber dosar isso tudo é o grande desafio.
    Beijo grande!

    ResponderExcluir
  24. Uma linda e inteligente forma de nos mostrar as crianças que somos, na verdade crescemos e com o tempo nos esquecemos de permitir com que as crianças saiam para brincar.
    Infelizmente, o pique-esconde, o pega-pega, e o rodar do pião da vida adulta nos consomem a ponto inclusive de se permitir segurar a mão de alguém que amamos.

    Perfeito Meire. Parabéns!

    Beijos

    ResponderExcluir

Cartas de fora para dentro - carta 2

Quando pequena achava que só se nascia uma vez, mas quando cresci descobri que temos muitas vidas em uma. Que é preciso subtrair o p...