quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Retrospectiva 2010

             Quero fazer um balanço de 2010. Esse ano foi um ano de muitas mudanças em minha vida, a príncipio pareciam mudanças ruins, mas foram fundamentais para meu crescimento e reconhecimento de que existem pessoas e pessoas, pessoas que valem a pena e pessoas que não. 
             Foi um ano de muita diversão em minha vida, senti-me livre. ♫ "I'm talking about freedom" ♫ Encontrei, ou melhor, reencontrei pessoas que eu achava serem colegas, mas que foram amigos e amigas de verdade, que me deram apoio no momento que mais precisei. Re, Thi, Vivi, Márcita, Cla, Su. Obrigada por tudoooo sempre!!!
             E o mais importante, reencontrei minha família, vi o quanto me é importante esse pedaço de mim.
             Viajei mais do que eu achava que fosse viajar, eu amo estrada. Quem já leu outros posts sabe dessa minha paixão! Conheci finalmente São Roque, a terra do vinho que é perto de Sampa, uma hora e meia mais ou menos de lá. Fui no tempo do frio, uma delícia!!! E também consegui realizar um sonho tão almejado, ver a peça Simplesmente eu, Clarice Lispector (vide post) com a atriz Beth Goulart. Lindo demais!!! Rodamos e rodamos por Sampa, eu e amigas, foi tudo de bom.
              Tive uma festinha de aniversário com direito a bolo, parabéns, chapéuzinho gay e talz. Para quem me conhece mais intimamente sabe que eu não gostava nada disso, pois esse ano mudei de opinião e me diverti e me emocionei muito no dia com surpresas especialíssimas!
               E terminei o ano com a partida do Renan para Mato Grosso (vide post) que vai fazer muita falta pra nós, mas o celular vai abalar esse ano com ele! risos
                E que 2011 seja melhor aindaaaaaaaaaaaa! uhuuu  

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

It's hard to say it, time to say it...

                                                                  
                                                          
E ontem o nosso querido amigo Renan foi embora, vou morrer de saudades dele. Confesso que o clima de despedida mexeu muito comigo ainda mais de alguém que passou 10 anos ao meu lado. Ele foi embora pra bem longe, Mato Grosso. Não será fácil ele vir nos visitar, meus olhos já enchem de lágrima ao me lembrar disso. Mas acho que mais pra frente é que minha ficha realmente irá cair e a ausência dele irá doer mais. Mas sei que a vida dele irá melhorar e tudo dará certo.
           Ontem fomos comemorar o niver da Cla, dei muita risada, era uma convenção de professoras como disse uma aluna nossa que nos encontrou. ahahaha piadas a parte foi muito bom bebemorar a vida dessa pessoa tão especial pra mim, alguém que há anos está presente em minha vida, mas que eu só dei valor esse ano...as fichas demoram pra cair, mas caem (ainda bem). E hoje que é oficialmente o niver dela fomos lá na casa dela comer bolo porque ela na cozinha ganha da Ana Maria Braga rsrs adoro!!!
             Estou muito feliz que meus primos veem pra cá amanhã. Um já está aqui, amanhã chega a Mila e o Luquinha diretamente de São Roque (terrinha adorada). A verdade é que bate aquela nostalgia dos Natais da infância, esperando pra ver o papai noel e nunca dava tempo, dá uma saudade dos meus avós (que já se foram, mas estão sempre em meu coração), mas todo esse saudosismo é saudável e eu estou feliz porque passarei o Natal ao lado da minha família, quer coisa melhor do que uma família animada como a minha?!!! rsrsrs
                Ah e sem contar na trilha sonora natalina que eu tenho, váriasss músicas, And so this is Christmas da Celine enrte outras, mas minha favorita é da Brenda Lee Rockin' around the Christmas tree é animada, dá vontade de dançar e cantar que é o que eu faço messssmo! ahaha


ps.: foto de uma das despedidas do Renan...pic (eu e meu sempre querido Renan)
ps 2.: terminando o título que é de uma música do Nickelback que retrata bem esse momento It's hard to say it, time to say it goodbye, goodbye.
            

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Gente fina de Martha Medeiros

                  
Gente fina é que tinha que virar tendência. Porque, colocando na balança, é quem faz a diferença.




                Gente fina é politicamente correta? Se for, não sou gente fina, porque fico muito impaciente com certas cortesias exageradas. Por exemplo, outro dia estava no aeroporto e uma voz no alto-falante convidou a embarcar os passageiros da melhor idade. Se eu tivesse cem anos, entenderia que todos deveriam passar na minha frente. Que melhor idade? Claro que alguém pode estar mais satisfeito aos 80 anos do que quando tinha 40, mas isso é levar em conta o específico. Na hora de generalizar, sejamos menos franciscanos. Milhares de pessoas idosas têm a cabeça ótima e estão realizadas, mas se tiverem bom humor, vão dispensar o consolo: pô, melhor idade é provocação.

O mesmo sobre magros e gordos. Cada um faz o que bem entender com o próprio corpo. Comer com liberdade é um direito e ninguém tem que se sacrificar para atender a um padrão estético, mas que ser magro é melhor do que ser gordo, é. Pra saúde é melhor, pra se vestir é melhor, pra se locomover é melhor, pra dançar é melhor. Não quer dizer que um gordo não seja feliz. Geralmente, são felizes à beça, mais do que muito varapau. Mas se fosse possível escolher entre ser magro e ser gordo sem nenhum efeito colateral de felicidade ou infelicidade, sem nenhum esforço, só no abracadabra, todo mundo iria querer ser magro, assim como todo mundo preferiria se cristalizar entre os 30 e os 50 anos. Eu acho. A não ser que eu esteja louca, o que é uma hipótese a considerar.

Porém, melhor que tudo é ser gente fina. Finíssima. Isso nada tem a ver com a tendência atual de ser seca, de parecer um esqueleto ambulante. Gente fina é outra coisa.

Gente fina é aquela que é tão especial que a gente nem percebe se é gorda, magra, velha, moça, loira, morena, alta ou baixa. Ela é gente fina, ou seja, está acima de qualquer classificação. Todos a querem por perto. Tem um astral leve, mas sabe aprofundar as questões quando necessário. É simpática, mas não bobalhona. É uma pessoa direita, mas não escravizada pelos certos e errados: sabe transgredir sem agredir. Gente fina é aquela que é generosa, mas não banana. Te ajuda, mas permite que você cresça sozinho. Gente fina diz mais sim do que não, e faz isso naturalmente, não é para agradar. Gente fina se sente confortável em qualquer ambiente: num boteco de beira de estrada e num castelo no interior da Escócia. Gente fina não julga ninguém – tem opinião, apenas. Um novo começo de era, com gente fina, elegante e sincera. O que mais se pode querer? Gente fina não esnoba, não humilha, não trapaceia, não compete e, como o próprio nome diz, não engrossa. Não veio ao mundo pra colocar areia no projeto dos outros. Ela não pesa, mesmo sendo gorda, e não é leviana, mesmo sendo magra. Gente fina é que tinha que virar tendência. Porque, colocando na balança, é quem faz a diferença.


Estou postando esse texto da Martha Medeiros que me mandaram, achei tudooo!!!
byeee

sábado, 4 de dezembro de 2010

Nada como as mudanças da vida

                  Hoje eu estive numa situação que parei pra pensar. E foi muito engraçado, fiquei rodeada por pessoas que fizeram parte da minha vida e que hj já não fazem mais juntamente com pessoas que já faziam parte da minha vida e depois de algumas coisas se aprofundaram mais na relação comigo. E parei pra pensar...minha vida hj não é nada comparada a vida que eu levava, hj tenho pessoas saudáveis em todos os pontos de vista ao meu lado. São pessoas que têm seus problemas sim, mas não descarregam em cima de mim pra eu resolvê-los. Pisquei e quando abri os olhos estava rodeada de pessoas que sei que me amam, da minha família maravilhosa, de amigos incríveis, que riam e choram junto comigo e que me dão um time quando quero um tempo sozinha comigo mesma! Realmente, estou tentando nomear o que estou sentindo, mas achei váaaaarios nomes: felicidade, liberdade, alegria, emoção...Não desejo o mal de ninguém, situações como hj me fariam ficar mal em outra ocasião, mas eu superei tão bem que só senti vontade de rir!!! ahahaha
             Ah, sei lá porque vim escrever isso tudo, me deu vontade rsrs é um sentimento novo esse, muiiito bom heim excelente!!! ;)

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Thanksgiving e outras coisas

                                                                                    
        O fim do ano está chegando. As férias estão aí praticamente, fechei tudo até agora, só preciso saber minha nota de espanhol. Espanhol não foi um problema para mim e sim a professora (parece nhe nhe nhe, mas é sério, ela num dava aula, só nos últimos vinte minutos sem aula, como pode?!) Mas a boa nova é a festa da formatura que vai dar o que falar! Vai ser em janeiro, mas amanhã já vou escolher meu vestido, nem sei o que quero para falar a verdade, mas vou na fé! Comecei a academia há duas semanas, sou uma pessoa saudável agora, até salada estou comendo u-A-u! Mas antes da minha festa de formatura, tem a do Thi! Que é dia 18, vestido comprado pra essa faz tempinho! rsrs








No último dia 25 foi Thanksgiving nos States e fizemos o nosso aqui, foi muito bom, lá na casa da Re... todos agradecemos coisas e a Re claro nos fez chorar com o pequeno grande discurso dela, cada um levou uma comida, comemos muuuuuuuuuuuuito como já é de se esperar e rimos muito tbm! Deitamos e ficamos na grama olhando as estrelas no céu, do jeito que eu adoro.




Enfim agora é só agarrar a ansiedade de fim de ano que dá...e vamos lá...




ps.: foto do dia do nosso Thanksgiving

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Eu gosto...

    

                                                                        
 Gosto de verde. Gosto de natureza e poluição. Gosto de olhar o mar num dia de sol ou num dia nublado. Simplicidade me fascina. Gosto de ver a ingenuidade de uma criança em seu olhar, em não adivinhar que às vezes a vida dela será difícil e ao mesmo tempo fácil. Amo cantar, canto alto, faço dueto com artistas ao rádio. Gosto de dançar ao ritmo da música. Sou alegre por dentro, não consigo cultivar a tristeza, ela não foi feita pra se enraizar em meu coração. Ando sorrindo como boba ao som de músicas na rua. Gosto de dormir ao som de uma chuvinha fina.Gosto de conversar e escrever, duas coisas que me salvam a vida desde sempre. Gosto de comer por prazer, sem culpa se vou engordar ou não; não conto calorias, não, blá! Me revolto muitas vezes com as atitudes ridículas das pessoas sim, me decepciono quando as pessoas falam uma coisa e fazem outra, mas o ser humano ( e me incluo nisso) têm seus defeitos. Amo o que faço: dar aula de inglês. Ler, ler, ler sempre, viajo nos mundos dos livros! Gosto da estrada. Gosto de sair com meus amigos, dar muita risada, mas também gosto de me curtir um pouco. Ficar sozinha com meus pensamentos e meus discos também me faz muito bem. - e eu só quero a delícia de viver bem e leve! :)

sábado, 6 de novembro de 2010

Sampa, friends e um pedaço de bolo

        
                                                                  
Demorei pra vir falar da viagem, mas ai vai. Saímos daqui eu e Re na sexta a noite chegamos cedinho em Sampa. Fomos a casa da Márcita deixar as malas e tomar café da manhã com o famoso bolo de aveia que ela faz e eu adoro, diga-se de passagem. De lá fomos ao centro, rodamos, rodamos, rodamos, 25 de Março foreverrrrrrrr. Pegamos uma chuva no meio do caminho, tivemos que comprar aquelas capas plásticas que vendem para num tomarmos um banho lá. Em seguida fomos ao Museu da Língua Portuguesa, nos deliciamos com a exposição do Fernando Pessoa que eu gosto muito. Cara, e que saudades eu tava dos metrôs, andar de metro apesar de não ter paisagem é fenomenal. Almoçamos num restaurante perto da Estação da luz, onde eu já almocei quando fui lá uma outra vez, muito bom tbm. De lá voltamos para casa da Márcia porque eu tinha a peça a noite e precisava descansar. A noite fui a tão falado e comentada peça Simplesmente eu, Clarice Lispector que eu falei no post anterior. No domingo a Vivi foi pra lá encontar com a gente e fomos a pé até o shopping Paulista dar um rolé e curtir Sampa, e claro zuar um bocado. A noite fomos a um barzinho bom, tirando que o chop tinha quatro dedos de colarinho e a Vi fez voltar os dela com dois dedos. ahahah eu me divirto. Na segunda fomos ao Ibirapuera, tiramos fotos com os girassóis lindos de lá, aquele lugar é um sonho! E na terça ainda deu tempo de irmos ao Parque da Independência e voltar rapidinho pra pegar o bus pra Lins as 17 hrs. E cá estou, satisfeita por ter ído ver a peça que eu tanto queria. Ah e a Márcia me emprestou um livro que chama Correspondências, são cartas que escreveram para Clarice e que ela também escreveu. Terminei de ler hoje. Por incrível que pareça não comprei nenhum LP dessa vez, guardei o dimdim para comprar o livro Cartas perto do coração, são cartas trocadas entre a Clarice e o Fernando sabino, o livro que inspirou a Beth a querer fazer a peça. That's it for awhile. =)


Na foto, Vivi, Marcita, Re eu indo para o Ibirapuera.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

peça Simplesmente Eu, Clarice Lispector

                                                                      
            Escrevo diretamente de Sampa. Fui no sábado dia 30 ver a peça Simplesmente eu, Clarice Lispector com a atriz, diga-se de passagem espetacular, Beth Goulart. Quero tentar descrever aqui o indescritível, como a própria Clarice costumava dizer "Eu sinto." E eu senti diversos tipos de sentimentos ao assistir a peça, a Beth deu a peça verdadeiramente a essência da Clrarice Lispector. Senti em uma hora de espetáculo raiva, amor, alegria, encantamento, desesperto, angústia. Todos quase ao mesmo tempo. Sem contar a emoção que eu senti ao olhar bem na minha frente (sentei na quarta fileira que é bem próxima ao palco, teatro renassaince) a Beth que ficou caracterizada de forma tão parecida a minha querida autora, era como se pudesse olhar nos olhos da Clarice. Muitooooooooooo doido!Quando ela entrou no palco, meus olhos encheram de lágrima, mas fiz o possível a peça toda para não chorar, pois com os olhos marejados ia ficar difícil enxergar e eu não queria perder uma nesgazinha daquela peça. Confesso que minhas expectativas foram muitas em relação a ela e todas foram ultrapassadas. Simplesmente linda demais. Só assistindo para entender o que escrevo, momentos que ficaram guardados na minha memória forever and ever!
         Bye, até a volta!

domingo, 10 de outubro de 2010

Music memories

                                                                    
Resolvi fazer um post com músicas que me lembram situações ou pessoas, doces lembranças!


* Long ride home (Patty Griffin) - Me lembra estrada, algo que eu amo.
*I'm never gonna dance again ( George Michael) e La Bamba (Richie Valens) - Me tráz doces lembranças do casamento da minha tia no qual eu e minha irmã fomos daminhas de honra. Foi uma festa rememorável, a grande família reunida, gente de todos os lugares até de Minas Gerais vieram. Foi uma festa inesquecível! E olha que eu tinha apenas 7 aninhos!
*Dessa vez (Nando Reis) - Me lembra todos os anos da faculdade, a letra dela me faz pensar muito, principalmente a frase "e nessa linda história os diabos são anjos."
*Far away (Nickelback) - Início da faculdade, em que passamos muito tempo na casa do Karlos, jogando papo fora, época que eu tinha tempo pra fazer isso! haha
*Amigo do sol, amigo da lua (Benito Di Paula) - Me lembra minha infância na casa da minha avó ouvindo discos, ou tomando sol de manhã.
*Festa de Arromba (Jovem Guarda) - Minha avó. Ela adorava e me viciou a ouvir a fita que ela tinha.
*For your babies (Simply Red) - Acho essa música doce, por isso me lembra minha irmã e a nossa relação sempre fraterna e de cumplicidade.
*A thousand miles (Vanessa Carlton) - Lembra a época do Interact. Bolos de chocolate na casa da Ju, pipoca e filme no Renan. Vender doce no calçadão e fazer pedágio.
*Dancing Queen (ABBA) - Me lembra Sampa, Barra Funda, metrô, Avenida Paulista...adoro entrar naquela cidade ao som deles.
*What's up? (4 non Blondes) - Me lembra o início do curso de Letras em que eu via muito esse clipe no dvd do meu pai.
*One of us (Joan Osborne) - Me lembra as aulas de inglês que a Vitu cantarolava essa música. Os infindáveis Homerowks que a Ju copiava de mim! rsrs
*O amanhã (Simone) - Uma apresentação que minha classe da facul fez baseada no conto "A cartomante" de Machado de Assis.
*Tomara (Vinicius de Moraes) - Me lembra minha amiga Cla, pois foi ela quem me enviou essa música uma vez que eu estava precisando de uma mãozinha amiga! 
*Unwritten ( Natasha Bedingfield) Me lembra uma  vez que fui a Marília com a Vivi, Thalita e Pedro, eles foram pestar em concurso na UNESP e enquanto eu os esperava fiquei andando pelo jardim, diga-se de passagem, lindooooo, tinha até balanço...pensando sobre os últimos acontecimentos impactantes da minha vida, essa música marca um recomeço dentro de mim mesma. A letra explica bastante tbm, algo de que só eu mesma posso pensar ou falar por mim. Momento liberdade meu!
*Relicário (Cássia Eller e Nando Reis) - Minha família, lembranças boas.
*This love (Marrom 5) - Época do Interact tbm, mais especificamente as festas de aniversário de cada um em que armávamos um plano. Festas surpresas, dançamos e cantamos muito.
*Hey Jude (Beatles) - Além de ter uma letra linda, foi a primeira música que eu aprendi a tocar no violão sozinha, leia-se com a ajuda do youtube e talz rsrs
Conforme for me lembrando devo editar esse post, essas são as que vieram a mente nesse momento! ;)















quinta-feira, 7 de outubro de 2010

E das influências musicais

              
                                                                        
São tantas e tantas músicas que tenho verdadeira paixão que não sonsigo citar uma propriamente favorita. Quando me pedem isso, cito o que estou ouvindo mais no momento. Respiro, como, bebo música. É realmente o ar para mim, não vivo sem. É essencial para meu humor e energia carregada!
              Minha paixão vem desde a infância quando na casa da vovó que tbm amava música eu sentava no quarto que tinha o som e colocava os fones no ouvido e mami colocava um vinil pra eu ouvir. Era Jovem Guarda, Benito Di Paula, "hey hey que onda que festa de arromba." "hey, meu amigo Charle, meu amigo Charle Brown...e me lembro de outros que contavam histórias tbm. Além da minha vó, tinha meu pai que tbm curtia d tudo Rita Lee. Daí minha maluquice eterna! E eu juro que quando for bem velhinha vou pintar meu cabelo de vermelho, cair na estrada e viver de rock ahaha eu e meu violão! Claro, só se minha estimativa de vida num for grande coisa! Sou eclética em relação a música, tenho uma paixão aguda e crônica pelos anos 60,70 e 80, mas curto de tudo um pouco, tirando funk, pagode e sertanejo. Gosto de músicas com letras, boas letras e boas melodias!
            Assim que eu tiver mais tempo quero fazer vários posts, um para cada cantor que curto. Além de música, adoro estudar a biografia de cada um, aliás já fiz um post há um tempo sobre June Carter e Johnny Cash chamado Walk the line...mas ainda há vários que escrever. É que no momento estou mega focada no meu TCC...Clariceando como gosto de dizer! Mas ainda pretendo escrever sobre Judee Sill, Abba, Beatles, Carpenters entre outros. By the way, fico por aqui, preciso digitar mais do meu TCC.
besos

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Ser sensível

  
                                                                         

Essas palavras me definem, cada uma, cada pedaço, é o que sinto dentro de mim!
"Ser sensível nesse mundo requer muita coragem.
Muita. Todo dia.
Esse jeito de ouvir além dos olhos, de ver além dos ouvidos,
de sentir a textura do sentimento alheio tão clara no próprio coração
e tantas vezes até doer ou sorrir junto com toda sinceridade.
Essa sensação, de vez em quando, de ser estrangeiro e não saber falar o idioma local,
de ser meio ET, uma espécie de sobrevivente de uma civilização extinta.
Essa intensidade toda em tempo de ternura minguada.
Esse amor tão vívido em terra em que a maioria
parece se assustar mais com o afeto do que com a indelicadeza.
Esse cuidado espontâneo com os outros.
Essa vontade tão pura de que ninguém sofra por nada.
Esse melindre de ferir por saber, com nitidez, como dói se sentir ferido. ...... Ser sensível nesse mundo requer muita coragem. Muita. Todo dia.
Essa saudade, que faz a alma marejar,
de um lugar que não se sabe onde é, mas que existe, é claro que existe.
Essa possibilidade de se experimentar a dor, quando a dor chega,
com a mesma verdade com que se experimenta a alegria.
Essa incapacidade de não se admirar com o encanto grandioso
que também mora na sutileza.
Essa vontade de espalhar buquês de sorrisos por aí,
porque os sensíveis, por mais que chorem de vez em quando,
não deixam adormecer a ideia de um mundo que possa acordar sorrindo.
Pra toda gente. Pra todo ser. Pra toda vida.
Eu até já tentei ser diferente, por medo de doer,
mas não tem jeito: só consigo ser igual a mim."   Ana Jacomo

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Otimista, mas nem tanto

                                                            
 Um assunto que não vejo ser muito discutido por aí, como é bom ter pensamento negativo. Como? Isso mesmo. Todos dizem que temos que manter o pensamento positivo. Sim, mas acredito que isso também implica em sermos pessimistas. Como assim? Temos que ter os pés no chão, pois se acharmos que tudo o que planejamos dará certo ao extremo corremos o risco de ficar mal com a frustração se não der. Criar uma expectativa desmedida em cima de pessoas ou situações pode não ser saudável. Pensar positivo é bom e faz bem, afinal já tem muita gente pensando o contrário, mas na medida certa, sem exageros. Mantendo os pés firmes no chão!




"Mantenha os seus olhos nas estrelas e os seus pés na terra." 
Theodore Roosevelt

terça-feira, 13 de julho de 2010

Dedique-se

                                                                                            
    Achei muito linda a mensagem que a Bety leu hoje, por isso aqui vai ela...é do livro Recados da vida, de André Luiz:
       "Quando você não possua o que deseja, você pode valorizar aquilo que tem.
Se não consegue obter a afeição daqueles a quem mais ama, não se esqueça de se dedicar aos que amam a você, especialmente quando necessitem de seu concurso.
Quando não se lhe faça possível criar a grande alegria que alguém lhe solicite, você pode doar a esse alguém o sorriso que menos lhe custa. Se não dispõe de recursos para colaborar com o muito com que estimaria brindar a essa ou aquela realização de beneficência, oferte a migalha ao seu alcance. O essencial não é o tamanho do bem que se queira e, sim, o tamanho do amor que você coloque no bem que se decida a fazer."
No fundo a gente sabe que é assim, mas vem aquele velho lance do "falar é fácil, mas o fazer difícil"...mas nem sempre é tão difícil, o que falta a algumas pessoas é força de vontade. E não adianta rebater, debater ou combater; o combustível da vida é o amor. Muitas vezes tenho impressão que as pessoas acham que eu não tenho problemas, só porque procuro sempre mostrar o lado bom da vida...não é bem assim. Tenho vários problemas, só que não gosto de focar minha vida neles, gosto de focar nas coisas boas que tenho na vida. Por isso por mais difícil que seja devemos ao menos tentar dar sempre o máximo de nós pra fazer as coisas com amor, mesmo que as pessoas não sejam merecedoras dele. Dedique-se a sorrir mais, a ouvir mais músicas alegres ao invés de tristes. Tente ao menos um dia fazer tudo com mais amor...tudo ficará mais bonito. Dedique-se a se dar de presente bons momentos, por mais que as pessoas ao seu redor não lhes deem motivos para tal.
besitos :)

sexta-feira, 18 de junho de 2010

São Paulo, meu amoooor!

                                                                      
Muito bem, até que enfim estou de volta para contar da minha viagem no último feriado! Pois bem, saímos ( eu e minha irmãzita direto para Sampa city. Aqui mesmo minhas amigas já me emocionaram ao irem na rodoviária com uma sufite escrita I'LL MISS YOU! muito fofas elas like always. Fui daqui até a primeira parada ouvindo músicas no MP, curti umas mais recentes que eu tenho, deixei as mais antigas para curtir na capital. (é, acho que elas me lembram lá, é rememorávelmente doce). Como saímos daqui no bus das 23:30, eu dormi quase o caminho todo. Chegamos em Sampa quase seis da matina, ô delícia ver aquele solzinho nascendo, aquele frio gostoso daquela terrinha que amo! Aí coloquei Beatles para mandar ver no MP! (melhor trilha sonora para o moment) Chegando lá pegamos o ônibus para São Roque, que é uma cidade mais alta que Sampa. Fiquei encantada quando chegamos, a ciudade tem muito verde!!! É lindo. (Sim, eu amo a capital e amo verde, é um mix de tudo dentro de mim) Fomos a um lugar chamado BRASITAL, onde tem trilhas para fazer. Eu vi um esquilo, que correu na hora da minha câmera o flagrar! haha Até cachoeirinha tinha o lugar! Lindo!!!!!!!! Na quinta fomos ver Alice no país das maravilhas no cinema, pois eu ainda não havia visto (acredite o cinema da minha city tinha fechado, mas dizem que irá reabrir mês que vem --' ). Pois bem na sexta passamos o dia em casa papeando com minha tia, não fazia isso há muito tempo. À noite íamos sair, but choveu muiiiito e ficamos proseando com nossas primas! No sábado fomos a Sampa, passamos a manhã no centro, fomos ao CCBB, comemos no MC, fomos a galeria pra eu comprar finalmente meus LPs do ABBA e Beatles (momento euforia). Passamos a tarde pela Av. Paulista...que delícia andar naquela avenida! E terminamos a tarde no shopping comprando presentes para os friends. Quando chegamos em São Roque a noite ainda fomos comer uma pizza deliciosa. E no domingo voltamos.
         Foi tudo muito bom, descansei, aproveitei muito. Talvez volte mês que vem a Sampa. Uhuuuuuuuuuuu!


ps.: foto no parque Trianon que fica na Avenida Paulista, um lugar de muito verde! adoro!
          "Dentro de você habita o infinito. Imagine então o infinito que habita ao redor de você."

terça-feira, 1 de junho de 2010

Leveza

                                                                              
Me sinto cheia, repleta de amor. Amor em todos os sentidos dele, amor para amigos e família. Amor pelos seres humanos. É gratificante ver que conseguimos fazer uma pessoa sorrir ao menos um pouco. Por pior que seja a tristeza, tudo na vida passa "até a uva passa". Gracinhas a parte e erros também. CADA dia é um novo recomeço, temos uma chance por dia de fazer daquele dia diferente. Eu me sinto uma nova pessoa a cada dia que passa, pois a cada dia acrescento mais bagagem à minha vida, mais amor, mais poesia.


"...e tudo é natural, basta não teres medos excessivos — trata-se apenas de preservar o azul das tuas asas." Caio Fernando Abreu

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Não ao conformismo!


                                                                                           
Realmente para mim é difícil conviver com certas coisas. E um tipo delas é com pessoas conformadas com a dor, com o sofrimento. Há pessoas que simplesmente se acomodam com a situação de dor que o coração dela está; que grudam na tristeza e não largam mais dela. Tristeza é um vício! FATO. Me dói ver pessoas que ficam presas ao passado, não tentam de alguma maneira mudar o rumo da vida. Se todas as pessoas fossem assim ninguém mais iria sorrir na face da Terra. Afinal sei que todos nós temos motivos para chorar ou ficarmos tristes por problemas pessoais, mas se fixarmos a cabeça nos problemas jamais sorriremos ao longo do dia ou da vida. Ao mesmo tempo que me revolta ver pessoas que são vítimas ou que se fazem delas penso por outro lado que cada pessoa tem o seu tempo. E o tempo de cada pessoa é diferente. Eu posso demorar apenas um mês para digerir algum problema que outra pessoa demoraria um ano para digerir. É extramamente relativo, mas querer se ajudar ao invés de ficar preso ao passado é o primeiro passo.  E é incrível não adianta ninguém de fora falar, tentar ajudar, só recebe ajuda quem quer ser ajudado. Como é bom ver a vida de uma maneira positiva, saber que cada dia eu recomeço, saber que posso sorrir porque quero, porque o passado está lá atrás e o futuro logo alí na palma da minha mão!

"Já que não tenho o dom de modificar uma pessoa, modificar vou aquilo que eu posso: o jeito de olhar para ela." Fernando Pessoa

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Hoje

                                                                                       
Uma coisa está bem clara para mim: Eu não me submeteria a certas situações como fiz no passado. Hoje seria tudo muito diferente se as coisas quisessem voltar a ser como eram. Mudei muita coisa dentro de mim. Uma delas foi meu amor-próprio; o encontrei. Hoje pensaria mil vezes antes de fazer algo que está além de meus limites e forças. Hoje me sinto mais forte. Com Deus no coração e pessoas que eu havia esquecido que eram meus amigos ao meu lado; me dando colo e sorrindo comigo. Meu humor é outro. Sou uma pessoa alegre, "pra cima", sem rugas de preocupação por problemas alheios. Não é que não me preocupe com meus amigos, mas não absorvo absurdamente o problema deles. Hoje, sei que tenho que cuidar de mim antes de pensar em cuidar do meu próximo. Sempre soube disso, mas estou colocando em prática. E que verdade seja dita, se nos submetemos a alguma situação da qual nos arrependemos depois, a culpa é somente nossa e de mais ninguém. Mas o que vale mesmo é se perdoar antes de mais nada. LIBERTAR-SE.

"... rir dos cárceres onde se prendeu
e levou um tempo imenso pra descobrir que as chaves estavam com você o tempo todo"
(Ana Jácomo)

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Amar a si mesmo

                     

                                                                            
Crescemos achando que temos que buscar segurança nas pessoas. Mas chega numa fase da vida que percebemos que tudo o que estavamos tentando buscar fora de nós, está dentro, bem dentro. E quando encontramos um problema ou um desafio podemos sim pedir conselho aos amigos e familiares, mas temos que ver o que o "eu" realmente quer. O que é melhor para nós (claro sem prejudicar os outros). Sempre frisei a importância dos amigos em minha vida e esqueci de frisar a minha própria importância. Isso é o que não pode acontecer. NEVER! Porque a primeira pessoa importante para nós tem que ser nós mesmos, pois se não há amor próprio, qualquer amor que haja será "torto". E tudo, TUDO no sentido literal da palavra, que é demasiado causa danos, estrago e não é saudável. Mesmo a comida, os médicos sempre dizem que podemos comer de tudo, mas que seja um pouco de tudo. Não posso comer só salada, nem só arroz. Tenho que variar. E a vida é assim, não podemos ficar extremamente focados em um lado de nossa vida, temos que nos dividir. Claro, que sempre tem as prioridades e as preocupações, mas essas coisas são normais. O bom é você viver com calma, um dia de cada vez. Dar atenção a todos que te cercam. Arrumar um tempinho para si mesmo é o que vai fazer você ser bom nas coisas que faz.


Tem uma frase da Clarice que traduz isso: "Fique de vez em quando só, senão será submergido. Até o amor excessivo pode submergir uma pessoa."

That's it...obrigada pelos comments pessoal!! beijos

sábado, 10 de abril de 2010

A terceira perna


                  "...Perdi alguma coisa que me era essencial, e que já não me é mais. Não me é necessária, assim como se eu tivesse perdido uma terceira perna que até então me impossibilitava de andar, mas que fazia de mim um tripé estável. Essa terceira perna eu perdi. E voltei a ser uma pessoa que nunca fui. Voltei a ter o que nunca tive: apenas duas pernas. Sei que somente com as duas pernas é que posso caminhar. Mas a ausência inútil da terceira me faz falta e me assusta, era ela que fazia de mim uma coisa encontrável por mim mesma, e sem sequer precisar me procurar." C.L.
            

sábado, 20 de março de 2010

Razões desconhecidas

                                                                        
                   Talvez nascer seja difícil. Não sei, não me lembro. Mas estou ciente de que viver é. O estar vivo não é o bastante. Tem que se viver. É perturbador. Acredito que cada ser humano na face dessa Terra tão maluca faz o possível para não apenas existir, mas viver. E para isso é que lutamos dia-a-dia de nossa insignificante existência. Quando era criança eu achava que para ninguém esquecer de mim eu teria que entrar para a história. Teria que fazer algo gigantesco que alcançasse o mundo todo. Hoje vejo que não é bem por aí. Para não esquecerem de mim basta que eu consiga alcançar em cada pessoa aquilo que ela tem de mais lindo, onde ela guarda tudo o que lhe passa na alma; Tenho que alcançar o coração das pessoas. Isto é o que irá fazer com que elas lembrem-se de mim. Tocar o coração das pessoas não é uma tarefa simples e fácil. Eu falo por mim mesma; não deixo qualquer pessoa entrar em meu coração. Sou extremamente seletiva nesse ponto. Por um lado é bom, mas por outro não. Mas quem foi que disse  que é fácil compreender o próprio coração e suas razões?




quinta-feira, 18 de março de 2010

But they don't care



                           Insegurança, eis uma característica básica do ser humano. E é muito difícil eu conseguir disfarçar ou camuflar o que sinto. Não consigo fingir que estou bem quando não estou, raras vezes. E nessas raras vezes fico triste sozinha, choro sozinha. Melancólica eu? Não! Sou realista; vejo o que sinto e consequentemente sinto o que vejo. Mas será o Benedito? Não é só a Meire assim, assim. Sou ansiosa e extremamente nervosa. Já briguei muito comigo para mudar esse jeito e ainda brigo, mas há defeitos em nós mesmos que infelizmente parece algo grudado, não sai por mais que tentamos tirá-los do mais profundo de nosso ser. Falando assim parece até que não confio no ser humano, pois é bem por aí. Já tive amostras suficientemente boas para tal, mas me esforço. Faço o meu possível e impossível que todos acham ainda não ser o bastante. E talvez o que canse na realidade, seja esse brincar de viver. Nós demoramos para viver pra valer, ficamos brincando de viver. Fica uma pessoa fazendo a outra sofrer? Se dependesse de mim a felicidade de alguém não faria essa pessoa sofrer, sei que temos muitos motivos para seguir cada caminho que escolhemos. Eu até entendo, mas não compreendo!

"Mais o pior é o súbito cansaço de tudo. Parece uma fartura, parece que já se teve tudo e que não se quer mais nada. Cansaço dos Beatles. E cansaço também daqueles que não o são. Cansaço inclusive de minha liberdade íntima que foi tão duramente conquistada. Cansaço de um amar o outro. Melhor seria o ódio. O que me salvaria dessa impressão de fartura — é fartura ou uma liberdade de que está sendo inútil? —seria a raiva". C.L.
(Tirando a parte de cansar dos Beatles...nunca me canso deles, talvez sim dos que não os são!)

quinta-feira, 11 de março de 2010

Music is in me since always


                    Há um tempinho que não escrevo aqui, so I'm back! É incrível como não consigo ficar sem música. Adoro MPB, mas internacionais me fascinam, aquele sotaquinho todo dos Beatles então nem se fala. Desde mais nova eu amo música internacional, foi daí que veio minha paixão por Inglês; foi exatamente por isso que quando eu estava na escola ainda, quis fazer curso de Inglês, para cantar direito. haha Adoooooro! Estou nesse momento cantando e tentando tirar umas músicas deles no violão. (Arranhando) Isso sempre me acalma. Ah, e achei no Youtube um canal massa de duas meninas, irmãs que fazendo um dueto cantando várias músicas, a maioria delas dos Beatles. Elas são inglesas, mas moram na Inglanterra... é muito bom. Afinadas e harmoniosas http://www.youtube.com/user/fiomily#p/u/41/KMzZOWRF1_4  ficaadica!
                     Agora estou ansiosa e assim que der irei procurar uns LPs em duas lojas que disseram para mim que pode ter aqui na minha city, Beatles, of course!
                      That's it!!!

"A música é a revelação superior a toda sabedoria e filosofia."

sexta-feira, 5 de março de 2010

My peace


                                                                         

Paz. To sentindo uma paz dentro de mim. Acordei assim hoje, leve. Lembrei-me até de quando era criança e íamos viajar e eu ficava olhando a estrada com uma folha de sulfite no colo desenhava o que eu via. Desenhava tudo mais ou menos, desenhar nunca foi meu forte. Dava uma paz tão grande dentro de mim, olhar toda aquela natureza e os eucaliptos que em algum lugar da estrada eu sabia que iriam aparecer. Ser feliz é isso; encontrar dentro de si mesmo a paz. Por que sempre achamos que a paz está fora de nós quando na verdade está bem dentro de cada um? Há de se pensar. Se meditar; ou você encontra a resposta ou acaba por sentir uma paz interior imensa e intensa. Sentia paz também quando minha mami me obrgava a tomar sol sentada na calçadinha da casa da vovó.
Hoje são coisas diferentes, mas não menos importantes que me fazem sentir paz. Como ouvir as velhas músicas do 14 BIS, me passam calma. Eu canto com eles e tudo fica mais bonito. The Beatles, porque eu adoro as dançantes e as letras são lindas das mais lentas *-*. June Carter e Johnny Cash, but tem que ser dos dois juntos, pois a história de amor deles me encanta e saber que existiu um amor tão lindo como o deles me dá uma esperança enorme. Country me anima também.
Quando estou me sentindo desesperada ou pateticamente boba por alguma coisa eu leio Clarice Lispector, sempre me dá paz, me acalma, porque me sinto bem em saber que havia uma escritora intensa como eu, me identifico com muitas coisas dela. Costumo dizer que é indescritível a sensação de ler Clarice, é uma doçura de estupidez. Eu amo!
Natureza também me traz paz. Eu acredito que a qualquer pessoa também traga. Você sentir aquele verde todo. E por incrível que pareça, falar também me traz paz.
Tem claro, muitas outras coisas para essa singela listinha, mas ía ficar cansativo de ler. haha
Paz também é acreditar em si mesmo, acreditar que tudo entra no lugar, ser otimista é o primeiro passo para as coisas começarem a se encaminhar. Always. É fato.

Bye, bye...até o próximo post!

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Library Lover

                     A minha paixão por biblioteca é bem clara. Nela tem a essência básica da minha vida; livros. Para uma devoradora de livros uma biblioteca é a própria alma num determinado local. Em minha vida tive muitas almas; a primeira delas na escola. A segunda no centro da minha cidade e agora tenho uma nova alma, limpinha, branquinha que fica na  minha faculdade. Cada alma, tem um significado em minha vida, e nelas rememoro cada pedacinho de mim.
                     Biblioteca. A simples palavra me fascina, me encanta. Minhas muitas almas já me proporcionaram fascínios diversos, J.K. Rowling na época do ensino fundamental, Pedro Bandeira, Aghata Christie. Cecília Meirelles com suas poesias que estranhamente me encantam desde a segunda série; eu só tinha uns oito para nove anos. E como esquecer da época que enquanto meus colegas de classe faziam treinamento de volei à tarde na escola, eu era voluntária para arrumar a biblioteca. Passava horas olhando para as estantes achando que sempre tinha que ajeitar mais um pouco. E ficava impecável. Eu esquecia do resto do mundo ali. Ainda me esqueço até hoje. É mágico. Passar os dedos um a um pelos livros, passar os olhos por cada um dos livros, amazing!
                    That's it, I'm a library lover!

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Altru ou Ego ísmo?

                      O círculo da vida é incompreensível. As pessoas então nem se fala. Se eu quiser sair gritando na rua, não irão me entender. Não irão entender que saudade dói, todos me rotularam de louca. O ser humano, àqueles que são seres humanos, porque há àqueles que nem podemos chamar HUMANOS, pois não merecem este título, até tenta compreender seu próximo. Uns com mais esforço e outros com menos. A solução de colocar no lugar do outro nem sempre é solução. Pois cada ser humano (ou não) carrega dentro de si uma capacidade e sua própria experiência de vida que pode ajudar ou atrapalhar nessa tarefa de puro altruísmo. Tarefa essa, que só pode ser cumprida com louvor se a pessoa no caso tiver boa vontade e até uma carga de vida "legal". Do contrário o significado, se tiver, dessa tentativa pode não ser lá grandes coisas. E talvez seja mais difícil entender o próximo quando não entende sequer a si mesmo. O auto conhecimento é fundamental para manter boas relações e quizá até uma vida saudável.
                      O amor é essencial nesse caso de colocar-se no lugar do outro. Pois quando se ama, você quer entender, mesmo que não consiga, você tenta da melhor maneira possível, de várias até.
                      E fica então uma frase da Clarice que relata bem isso tudo: 


"Porque eu fazia do amor um cálculo matemático errado: pensava que, somando as compreensões, eu amava. Não sabia que, somando as incompreensões é que se ama verdadeiramente. Porque eu, só por ter tido carinho, pensei que amar é fácil."

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

I'm gonna be



                      A dor do ser humano talvez seja esta: a de ser quem é. Aceitar que desde que se nasce você está sendo. Que você é um coração pulsando no mundo, nesse Universo tão vasto e complexo. Complexo como nossa cabeça, como nosso humor. Porque  talvez devessemos nascer sabendo. Nascer sabendo sentir dor, sentir amor e prazer. Saber que a dor deve ser sentida até um último grãozinho, não se deve ignorar a dor. E muito menos os prazeres, as alegrias, devem ser vividas intensamente. Enxergar alegria e dor não só nas coisas, mas nas pessoas também. Aceitar que cada um tem seu jeito e que muitas vezes não se dá para aceitar. Então não insista! Talvez este seja o "ser" que todos tanto falam, talvez seja.

Cartas de fora para dentro - carta 2

Quando pequena achava que só se nascia uma vez, mas quando cresci descobri que temos muitas vidas em uma. Que é preciso subtrair o p...